quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

Não pode ver que no meu mundo um troço qualquer morreu

Já dizia a frase clichê que o contrário de amor não ódio e sim a indiferença.

Às vezes acontece assim, aos pouquinhos, as pessoas vão fazendo outras coisas, falando de outros assuntos que já não interessam, indo por outros caminhos e um dia o amor acaba. Não sobra nadinha além de um monte de desinteresse. Aí você encontra ela no ônibus, dá aquele sorriso amarelo, fica triste de ter que tirar o fone de ouvido mas pergunta da vida. A parada chega, você desce e pensa como até que foi bom, mas que pode acontecer de novo daqui uns 2 anos que não faz mal.

Mas eu assisti, na verdade senti, algumas pessoas caírem nesse vão da indiferença como uma marionete que tem as cordas cortadas. É assustador, mas é como se a Medusa te olhasse nos olhos e seu coração virasse pedra. Não o coração todo, só aquele pedacinho que aquela pessoa ocupava. E pronto, não é raiva, não é desgosto, é só um tanto faz, que é melhor que seja não.


Talvez a culpa tenha sido minha, de me deixar magoar por coisas tão bobas. Mas é aí que mora o truque, não há mágoa; depois do choque da tempestade, sobra um céu limpo e sem nuvens. E eu nem sei o que fazer, não há o que perdoar, mas também não sobra mais nada pra manter. Não existe afeto além da cordialidade que a educação te pede para ter. É assustador não fazer mais questão do que um dia já foi importante, assim como um dia de verão que chove sem avisar e vai embora como se nada tivesse acontecido.

E todo esse rodeio é para chegar no ponto em que tem alguém quase morrendo para mim. E eu não quero, porque é algo que eu preso acima de todo mundo que já ficou pelo caminho independe da minha vontade. Mas é que esse aí dói de verdade, porque não foi só uma vez que a corda quase rebentou e eu corri para a beira do abismo e segurei nos dentes para não deixar. Entretanto, pintaram tudo de cinza e eu já não sei quantas vezes mais eu posso suportar não admitir que um troço qualquer morreu. E eu tento de um lado, porque eu sei que estão tentando do outro e talvez isso seja amor. Mas eu realmente tenho me magoado mais do que me sentido feliz, e meu coração tá querendo cortar todo mal pela raíz. De novo, não sei mais quanto posso e quero aquentar.

Por favor.

2 comentários:

Thaíla disse...

Continue indo, Mauá... vc vai achar o equilíbrio!

Dayse Sene disse...

Bom dia querida Mauany! Obrigada pela visita em meu blog. Então!...achei tão delicadinho e doce aquele desenho onde você comentou meu texto...ele é seu? Se for seu eu coloco seu nome na imagem abaixo do texto...e se é, faça mais, que eu adoro desenhos daquele jeito, assim me inspiro em outros textos, se permitir é claro. Beijo grande e feliz domingo..