sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

3 minutos

Eu decidi que quero fazer filmes e viajar pelo mundo. Mas meus pais não tem grana o suficiente pra me dar isso de bandeija.
Que preguiça tenho eu de ser boa em alguma coisa que me faça conquistar essas duas vontades.
Que preguiça tenho eu de terminar todas as histórias que comecei.
Que saudades tenho eu daquelas histórias.
Do admirável ladrão de calcinhas, cujo título roubei de qualquer lugar.
Da mariana, sempre mariana que morava com a avó e recebia bilhetes anônimos do cara que seguia ela no ônibus.
Sempre gostei de stalkers.
SEMPRE.
Que vontade tenho eu de terminar qualquer coisa que seja.
Que tristeza de lembrar que não soube aproveitar a chace certa.
Virão outras, eu espero.
Vou pegar essa meia dor e usar como propulsor.
Vou fazer meu filme e ir a Buenos Aires.
Depois vou escrever livros sobre as pessoas e as máquinas. Sobre as novas formas de comunicar.
Vou aprender a ser cara de pau e pedir tudo o que eu quero.
Vou beijar alguém de susto e ver o que acontece.
Vou escrever uma música e inventar um jeito novo de ler um livro.
Mas o filme, tem que ser assim, cotidiano e sereno. Mas surpreendente. Tem que ganhar prêmio de quem usou pouca grana.
A dificuldade que faz a beleza.

quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

Tá tudo bem.

Não tem nada lá que valha à pena, pequena.

terça-feira, 25 de dezembro de 2012

ho ho ho

E de onde vem tanta saudade?
:(
Eu continuo repetindo que fiz a melhor escolha porque eu sei que fiz.
Eram 10 minutos de alegria e o resto do dia de tristeza.
Melhor assim.
Mas aí me aparece alguém passando com o mesmo perfume e a vizinha pintando as paredes da sala com a mesma cor ~horrível~ daquele quarto tão familiar.
A vida é essa piada pronta que não tem ninguém pra rir.



domingo, 23 de dezembro de 2012

Budapeste

Esse ano eu li tão tão pouco. Vivi poucas vidas, estive em poucos lugares, fantasiei pouco, reescrevi poucas histórias.
Mas esse livro tem valido muito. Gosto dessas leituras triviais, de coisas possíveis, de personagens reais que quase tem cheiro.
Aprendi também coisas novas. Que Budapest é divida ao meio pelo rio. Metade Buda metade Pest. Eu até sabia, mas agora faz mais parte de mim. E que talvez o nome de húngaros tragam o nome da família na frente do nome próprio. Mas isso ainda preciso confirmar.

Ler faz tão bem. Já comecei a fazer mil listas pro ano que vem, listas de tudo, inclusive de livros que eu TENHO que ler.
2013 que já tem gostinho bom.

quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

Não é difícil fazer amigos, difícil é mantê-los

 1 - Ser muito direta.
 2 - Dificuldade de pedir desculpas, embora sofra muito.
 3 - Dar prioridade as pessoas erradas.
 4 - Não gostar facilmente de quase todo mundo.


Quatro passo mágicos para perder pessoas.

terça-feira, 18 de dezembro de 2012

Retrospectiva 2012 parte 1 - Fotos

Janeiro
Janeiro
 Abril
 Maio
Junho
 Julho
 Julho

 Julho
Setembro
 Outubro
 Outubro
 Novembro
 Dezembro       












































sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

Post apressadinho

Que dia quente, pequena!  Por onde esteve esse tempo todo? Não derretestes lá fora?

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Até logo, e obrigada pelos peixes.

Nesses últimas dias eu pensei muitas vezes em ir embora. Motivos, sabemos nós dois e todos os outros,  não faltaram. Ensaiei o discurso enquanto te esperava impaciente. E só me arrependo de não ter pego um táxi para escapar dalí a todo custo. Desmanchei em mais um sorriso, mas não acreditei nas suas desculpas. Você sempre sabe muito bem o que está fazendo. E eu também. 

 


O problema é essa meia racionalidade que me assola. Tudo tão branco no preto pros outros e para mim uma profusão de cores mal interpretadas. Eu te digo o que fazer, quando nem sei como agir. Você tem razão, é confuso. No meu caso, por outros motivos, mas é confuso sim.

 


E por isso de novo eu decidi abrir mão disto que eu nem sei definir. Não é que eu sinta alguma coisa, mas até essa dormência me assuta.  E foi  mais fácil do que parecia. É que como eu disse, as  prioridades mudam, e um dia você acorda e já não é mais.


sábado, 1 de dezembro de 2012

I'm a pretty impossible lady to be with.

'Cuz I like to be gone most of the time
and you like to be home most of the time
if I stay in one place I lose my mind
I'm a pretty impossible lady to be with.
           Uma amiga que se apaixonou recentemente pela trilha sonora de Juno me falou dessa música. "É a tua cara, não fica chateada *risos*, mas por alguma razão me lembra você".

          Eu comecei a ouvir Belle & Sebastian depois de ver esse filme, mas eu nunca reparei nessa canção, talvez porque na época não fizesse sentido. Eu não tenho grandes paixões, super talentos ou inpirações artisticas. Eu tenho só um punhado de vagas ideias de coisas que eu gostaria de fazer, mas elas nem parecem dar certo com as coisas que eu sou boa fazendo por enquanto. Mas outro dia eu percebi que tinha uma coisa que eu queria muito, muito fazer: viajar. Talvez todo mundo queira isso em algum momento, ou eu queira porque nunca fiz muito ao longo desses 19 anos. Mas eu sinto uma atração enorme por conhecer outros lugares, principalmente lugares com uma língua diferente da minha.

          Já disse uma vez que acredito que fronteiras são coisas da cabeça. E se tem uma coisa que eu quero enxergar no meu futuro, é que eu transpassei todas elas que possíveis foram. Eu olho pra mim em 10 anos e vejo uma atmosfera que eu nem sei de onde vem, mas eu sei que é qualquer coisa a milhas de distância.

          Mas voltando a música, e as outras que eu ouvi da Kymia Dawnson, ela fala muito sobre como quem escolhe viajar vive de inconstâncias. Você não fica muito em canto nenhum, não tem tempo de construir muita coisa. Porém, por alguma razão, essa vida parece mais plena para mim.

         O único problema é que você faz 18 anos e existe um mundo de expectativas sobre você. Tem que ficar rica, dar certo na vida. Não que meus pais falem isso, mas todos esperam. E é difícil olhar pra tudo isso e dizer assim "essa é a minha vida, e dela faço o que bem quiser." Enfim, espero eu ter a coragem de não ser passarinho que tem asa, mas nunca deixa as redondezas do ninho. Eu quero viver como  andorinha num eterno verão.



sexta-feira, 2 de novembro de 2012

Quando melhorar estragou.

De repente não precisava ser melhor, bastava ser o que já era. Bastava. Não entendeu muito bem das mil primeiras vezes. Mas talvez agora tenho dado certo.  E ainda dá tempo, sempre dá.

domingo, 14 de outubro de 2012

O artigo que eu tenho pra escrever sobre video mapping e Isadora

Hoje é 14 de Outubro de 2012 e eu não estudo mais alemão.
Mas ainda não terminei meu curso técnico do ensino médio que agora concilío com a universidade. 12 cadeiras, 12 fucking cadeiras.
Estou lendo o último Harry Potter e devo ter lido só uns cinco livros nesse ano inteiro. Estou desapontada comigo.
Venci a morte, mas pode ser exagero.
Me apaixonei por um filme, pelo menos.
E agora quero ir pra Buenos Aires colocar um piercing.
Amanhã vou tirar meu passaporte, não para ir a BA ainda. Só sei que meus sonhos tortos sempre vem a realidade.
Devia estudar mais pra prova cara de Inglês que meus pais pagaram.
Queria dormir numa barraca com alguém que na verdade só faz eu me sentir só.
Mas o interessante de tudo, é que eu lembro que eu sei ser só e gostar.
É que nesse momento, pela primeira vez desde o ano passado, eu voltei a pensar em mim com o maior alvo do meu interesse. E nunca estive tão bem como agora.
É difícil me concentrar nas coisas, e eu estou cercadas de novas dúvidas.
Num dia de lágrimas e hormônios malucos, decidi trocar de faculdade.  Mas morro de preguiça de fazer vestibular de novo.
Joguei meus livros do ensino médio fora.
Joguei alguns dos meus diários. Não reconhecia mais aquela menina, era hora de deixá-la ir.
2013 vai ser meu ano, porque eu meu número da sorte é o 6 (mas ele é o 7. so close, so far)

sábado, 13 de outubro de 2012

...

Te encontrei num lugar onde as pessoas vão pra ficar sozinhas no meio de outras. Do teu cabelo, dos teus sapatos e do ar de superior eu falo depois. Agora eu quero me lembrar do teu cigarro, da maneira como expulsava a fumaça da tua boca, e como batia o dedo para derrubar as cinzas no copo vazio de café. 
Eu sempre me eduquei a mal dizer quem fuma, mas esqueci que alguém podia casar tão bem como o símbolo torpe da juventude transviada. Pra resumir minha ideia: você estava putamente lindo. E com certeza sabia disso, só essa consciência sustentaria teu ar esnobe. 
Você passou os dedos pelos fios lisos do topete desgrenhado. Acabou o cigarro e para minha surpresa seu charme só fez aumentar quando desfilou seu corpo esguio até a lixeira. Devia ser proibido existir alguém tão tortamente belo.
Olhando para você isoladamente, nada era perfeito. O nariz um tanto torto, sobrancelhas falhas, a coluna nada reta. Contudo, tantas imperfeições tornavam o conjunto ideal.
Você passou por mim. Tinha um aroma que misturava o cigarro, o café e uma lavanda que eu não sabia de có. Até o teu cheiro fazia sentido.

02.03.2011

Tá proibido borboletar
Tá proibido pensar em você na hora de dormir, no ônibus, mais de uma vez por dia
Tá proibido ficar feliz em te ver (passar)
Tá proibido esperar que você sorria do que eu digo
Tá proibido decorar suas camisetas
Tá proibido não prestar atenção na aula pensando em você
Tá proibido ficar feliz pelo olhar correspondido
Tá proibido querer pintar as unhas porque vou te encontrar
Tá proibido ansiedade
Tá proibido suspirar
Tá proibido alegria sem explicação
Tá proibido postar/twittar/subnickar sobre isso
Tá proibido falar com os amigos
Tá proibido, amarrado e repreendido.
Amém.

terça-feira, 9 de outubro de 2012

De quem a gente mesmo escolheu ser sem querer.

Coloquei meia dúzia de pontos finais em sentimentos confusos. Em uns ainda restam as reticências esperançosas de que a história continue melhor em outro livro.

Enterrei com esse ponto final as tristes histórias de pôr-do-sol que não terminaram com um close nas mãos dadas.

Uns com certezas, outros com fantasias, estão todos descansando em paz.

domingo, 9 de setembro de 2012

I've lost control

 As lágrimas de frustração escorriam em seu rosto. 

      Não sabia quem chorava,
   ela
 ou seu eu-lírico.

sábado, 1 de setembro de 2012

I wish you'd let the past go

Me pego lembrando de 2011, achando que nada foi tão lindo quanto aquele Maio.
Leio nomes e me enrolo em saudades.
Esqueço que também sofria aquela época.
Logo, lembro tocando  a ponta do nariz, que o presente é o único momento válido.
O tempo dilui as lembranças e elas ficam assim, se não doces, ao menos suportáveis.
Mas são traiçoeiras. É preciso deixá-las ir para viver o hoje de fato.


segunda-feira, 23 de julho de 2012

GIRLS

Tem dias que a vida não parece muito promissora. E que a internet não parece tão interessante quanto ela é. Você só quer achar alguém pra bater um bom papo sem nem se preocupar em trocar telefones, ou facebooks, ou qualquer coisa assim. E numa dessas buscas por bons momentos achei algo que valeu o final de semana afundada na cama. 

Girls é uma série de tv que com certeza gera muito material pra essas meninas tristes do tumblr que dizem não se amar o suficiente. A série é escrita, dirigida e estrelada por Lena Dunham. E provavelmente tem muito de tudo o que ela passou escrito lá. Talvez por isso, embora pareça absurda por vezes, a série cative com seus personagens tão próximos. 

Eu não quero resenhar nada aqui, mas GIRLS salvou meu final de semana e eu queria muito, mas muito que tivesse uma segunda temporada. Porque as 5 horas que eu gastei assistindo o seriado (10 episódios de 30 minutos) passaram tão rápidas quanto um dia bom.


segunda-feira, 9 de julho de 2012


Now you're knocking at my door
Saying please come out with us tonight
But I would rather be alone
Than pretend I feel alright

- Arcade Fire me entende.

Eu decidi nunca mais mentir. E isso já é uma mentira em si.

terça-feira, 26 de junho de 2012

Birdhouse

A escova de dentes no copo sobre a pia não era minha. Quando eu entrei lá pra me recompor percebi que eu nem queria que fosse.
Mas eu saí sem bater a porta, sem te dar outro tapa, pedindo delicadamente pra você se afastar. Acho que eu não tinha tanta moral aquela altura do campeonato. No entanto eu devia tê - lo feito. Devia ter te feito sentir a culpa que te cabe em vez de te deixar me dar tapinhas motivacionais nas costas. “Fica assim não. Vai dar tudo certo.“ O problema é que eu sou só essa menina que é muito boa pra arrumar a vida dos outros, mas nunca sabe o que fazer com a dela. Você é só um porco, e eu torço loucamente pros outros porcos não serem tão carinhosos e convincentes como você.
Eu disse que talvez eu chorasse (lágrimas por ninguém, só porque é triste o fim) porque um dia daqueles chorei. Chorei como eu nunca tinha feito, aos soluços. Uma dor desconhecida e incontrolável. Eu também já te disse que as principais lições que tirei de ti foram a base do sofrimento. Eu nem sei porque eu voltei lá.
Só sei que agora é daqui pra frente. Vá dormir com os seus erros, porque eu sei que a única que fica acordada pensando neles sou eu.

domingo, 10 de junho de 2012

I'm sleepy. And I do want to write in English this time. As nobody comes here anymore, I won't care about acessibility. I'm really into bitching today.

I wish I was happy enough to don't get attached to my old good memories as a way to survive. Maybe happiness is too much to ask, but I'd like to be more confortable, or at least, unconfortable enough to move on. However, I'm just fooling around as always. I even got a Tumblr to be more improductive, but I'll try to make this into a new experience of creativity. I'm so scared about producing things that I must give it a chance. 

Be scared is the new trending of season. I just started college and I have conscious of how fast four years pass by. So I have no idea about how future will be, and I'm in the kind of course that you have to dig your own space to be succesfull. I mean, you have to build your way of doing things and hope that you will be amazing on it. But I don't freaking know what I'm good at. Maybe I'm in the wrong place. I fell the opposite though.

The most excited side of life is how surprising it can be. I'm betting on my chips in that chance. Last year, around September, I said the year was over. But maybe the last breathing it would be the most crucial. It was (here I am holding back my good memories). I wasn't waiting, and it was great for a while. For this reason I will just enjoy the moment doing the best that I can, when life brings me the chance I'll take it. I've already wasted a lot of them. That's enough.

segunda-feira, 30 de abril de 2012

Eu-lírico ataca de repente.

Tem uma foto de nós dois, na última noite que fomos felizes, logo a cima da minha cama. Eu posso olhar nos ver sorrindo, cansados, bagunçados, mas contentes. Na era digital tem uma foto de papel com nossos rostos impressos. E sabe para que? Para eu poder rasgá-la na noite do seu aniversário. E colocar cada um de nós nos devidos lugares. Separados. Distantes.