sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Just pick one

Bom, eu estou usando o mesmo título que eu usei no meu último post no maujomar . Foi um conselho que eu ouvi certa noite em uma pizzaria verde. É bom voltar aqui. Eu nunca levei esse blog muito a sério, mas é como voltar para casa e para não fugir o clichê "There is no place like home".

Eu tomei algumas decisões recentemente. Uma delas é escrever aqui todos os dias. Pode soar absurdo, estranho,  desncessário, irritante (é, talvez eu não faça isso), mas eu preciso me obrigar a descarregar esse tudo que tem aqui dentro em algum lugar. E é bom imaginar que alguém vai ler, faz você parecer menos absurdo. Ou eu só sou mais exibicionista do que imaginava.

Estão montando árvores de natal pela cidade, e nem é outubro ainda. 2011 definitivamente está dando seus último suspiros. Não que não seja suficiente para ele revelar o nome do bandido e ajudar o herói  a salvar tudo, mas é só que ele já fez quase tudo o que tinha para fazer.

Eu não sou the coolest kid no parquinho, e ainda tenho que entender melhor metáforos sobre trens e oportunidades. Mas eu estive feliz, por alguns longos minutos estive feliz. E felicidade, como todo mundo já percebeu, não é algo que dure muito. Eu não liguei para desejar felizes aniversários, pra ser sincera eu fugi. Estive sozinha, muito sozinha, mais do que eu gostaria. Procrastinei exacerbadamente. No entanto, 2011 ainda tem seus belos momentos. E talvez eu ainda volte aqui para listá-los, talvez esse útlimo suspiro seja o do beijo no asfalto. Sei lá.