terça-feira, 27 de julho de 2010

Pra você, que não me lê


"Quem inventou você fui eu, porém
Eu tenho que desinventar, pro bem
Preciso me livrar de tudo o que é você
Um espaço pra criar um outro alguém"

Sonhei com você esta noite. Outra vez. Esses dias eu dei pra te desenterrar. Você estava irremediavelmente azul, irritantemente azul. No sonho as pessoas desconfiavam do que eu sempre disfarcei, mas você sorria com ar de quem sempre soube. Eu dava uma desculpa qualquer fingindo não me importar. Talvez já não importasse mesmo.
"Já não vejo motivos pra um amor de tantas rugas não ter o seu lugar"

O roteirista dos meus sonhos é indiscutivelmente previsível. Fez um curta metragem pra comemorar o que aconteceu há um ano. Ele suas datas! Nós e nossas datas só minhas.

Quando eu acordei me despedi dessa parte sua que só mora em mim. O sorriso cúmplice, o olhar comprometedor. Ah esses teus olhos que me embalaram por tantas noites dançando no fundo dos meus.

Ta. Eu sei que é tudo uma ilusão. Que sou quem lança perfume sobre as flores para que elas cheirem assim. Mas nada me tira a certeza do passear na tua cabeça, a alegria de escapar da tua boca. Mesmo que isso não seja como eu quis, mesmo que isso já não valha nada.

4 comentários:

Morgana disse...

OLHA.
faz que nem eu e usa pessoas que não valem a pena apenas pra servir de inspiração pra poesia (por mais que eu nao use isso muito bem, você ARRASA) escreve um livro. sério.
não apaga o post. não sonhe com ele. fala com esse teu roteirista ai flw. não há mais ursinho.

Morgana disse...

OLHA.
faz que nem eu e usa pessoas que não valem a pena apenas pra servir de inspiração pra poesia (por mais que eu nao use isso muito bem, você ARRASA) escreve um livro. sério.
não apaga o post. não sonhe com ele. fala com esse teu roteirista ai flw. não há mais ursinho.

Robério Marques disse...

Uau, hoje, aqui, eu conheci uma nova Mauany! Belo post. Intríseco por conter partes que não seja explicito né?
Belo.
Saudades docê. E o nosso encontro?

-=| Ana Paula |=- disse...

Ah, flor... ^^


Nem sabia dessa sua propensão à poesia, embora isso já tivesse parecido bem evidente. E olha que eu não sou lá muito chegada ao gênero, mas ler texto deste calibre, cuja autora é uma garota tão jovem (que me faz sentir velha, vale ressaltar) me deixa emgbasbacada.

Beijos.

Ps.: E escreva um livro, vice? ;)