sábado, 27 de março de 2010

O Pouco Que Sobrou...

E aê.

Eu estou estranha. Isso talvez não seja uma coisa diferente partindo do pressuposto que eu nunca estive "normal". Eu tenho vindo aqui quase todos os dias e apertado em "Nova Postagem", mas forças além da imaginação me impediam de concretizar tal ato. E aí eu ia dormir pensando na postagem que eu faria depois (depois do Seminário de História, pra ser mais precisa). Tinha várias ideias e as vezes me sentia uma inútil dialogando com o meu lado mais "do mal".

-- Pra que ter um Blog se não há nada de novo, incrível ou útil a dizer?
-- Porque eu quero, oras. Eu disse que teria um mesmo que ele fosse uma completa porcaria. Que não me importaria...
-- Mas você se importa não é mesmo? Sempre preocupada com isso, mas nunca inova, nunca faz nada.
-- Hey lado "do mal", eu já estou cansada de mais. Nem aprendi o conteúdo do seminário ainda. Vou dormir. A gente discute depois. Bye.
-- ...

E isso se repetiu por dias... Ideias foram tidas, porém foram esquecidas quase que em sua maioria.
O pouco que sobrou foi um rascunho que eu fiz durante a aula de Geografia.

Os professores andam bastante apocalipticos. Cada um a sua maneira. O de Geografia  falando de economia, política e impunidade. E a de Biologia sobre os desequilibrios ambientais.  Essas coisas me lembram meus 8 anos de idade e a quase depressão. Eu chorava todos os dias no chuveiro pensando numa vida que eu não iria ter porque em 2019 um meteoro atingiria a Terra e tudo se acabaria. Eu me sentia impotente e só chorava. Tive febre. E então me disseram que era mentira e eu quis acreditar.
Mas agora "Meteoro é o caralho, mano" Momento PC Siqueira. O mundo está cada vez pior. A humanidade esta cada vez pior. É poluição, é corrupção... E o que posso eu fazer mediante tudo isso? "Um deputado recebe cerca de 72 mil reais por mês". Eu seria muito feliz com a metade disso por mês. E enquanto isso a maioria das pessoas recebe R$510,00 de salário. O que são 500 reais pra quem tem que vestir, educar, alimentar uma família inteira? AAAAAAAAAAA. Detesto pensar nisso pois me sinto impotente. Esse ano tem eleição. E eu já posso votar, mas nem vou. Num vou porque não acredito nesse país e nem na política dele. "Em 2025 o Oceano estará 5 °C mais quente. Isso vai matar muitos seres aquáticos." De novo, o que posso eu fazer mediante a tudo isso? Gritar? Me desesperar? Chorar no banheiro e depois ter febre? Eu posso simplesmente esquecer e agradecer que se chegar em 2025 é porque o meteoro não caiu em 2019. Ficar rica e influente pra fugir pras minas ou pro espaço quando a Terra for inabitável. Lembrei do Wall-e agora.
Ok, são mais de três da manhã e forças inimagináveis sono me convidam a me retirar.

Imagem Bonitinha Pra Limpar O Juízo.



So long.

quarta-feira, 17 de março de 2010

" ...ainda tem um dia inteiro pela frente."

Você dorme tarde e não houve o despertador tocar. Então alguém lhe acorda faltando 30 minutos pra hora de sair. E você passa parte desses minutos pensando em como seria bom continuar deitada enquanto a chuva cai fraca do lado de fora da janela. Mas não, você não vai deixar a vida correr só pra você dormir. Então você corre pro banheiro e se depara com água que sai morna do chuveiro menos mal. Ainda faltam 10 minutos para as 6h da manhã e seu dia já começou. Você termina o banho correndo, veste o maiô, passa protetor, pega uma maçã e a come enquanto caminha até o ponto de ônibus. E vem um micro-ônibus, você vai ter que ir em pé. Aquela hora da manhã ele com certeza vai lotar ainda mais. Você terá que dividir o infímo espaço do corredor com outras várias pessoas que estão com a pior cara do mundo. Acordadas tão cedo para um dia de merda. E amanhã será a mesma coisa, e a mesma coisa até a sexta-feira. Vem o final de semana e tudo recomeça, de novo de novo e de novo. Sempre as mesmas caras de merda, as mesmas pessoas passando maquiagem, os mesmos óculos escuros, os estudantes relapsos que fazem a lição a caminho da escola. Sempre o mesmo. E você olha pra cara de cada e tenta lê -lhes os pensamentos. E então o caminho passa e o ônibus fica menos cheio. (não sem antes alguém pisar no seu pé e passar a mãe na sua bunda). E então você se despede daquilo, pois chegou a sua vez de descer. Ainda são 6h45 e você já está há muitos metros de casa. 
Você caminha pacientemente e vê várias pessoas que começaram o dia bem antes de você. E então você chega ao seu destino. E olha pra "imensa" piscina azul. Agradece por ela ainda estar azul e não verde, como o de costume a partir do meio do semestre. 
Então você entra na água e seus olhos já ardem. Mistura de sono com o alto teor de cloro. Pensa sobre óculos que você sempre promete procurar, mas nunca o faz. Agora você bate os braços e as pernas numa sincronia. O mais lento que consegue pra ir mais longe. "Devagar e sempre" E tudo funciona em uma cadencia, seus braços, pernas e a respiração. As bolhas que saem suavemente do seu nariz compõem a melodia, é pleno. Aí você se sente viva e percebe que não dormiria em paz sabendo que trocou toda uma vida por mais um pouco de sono.
São 8h da manhã, você já passou por um zilhão de coisas e ainda tem um dia inteiro pela frente.




Bye ;**

segunda-feira, 15 de março de 2010

Pelo menos choveu.

Deu uma pingadinha esses dias. Não foi a nevasca que eu tava esperando, mas deu pro gasto. A vida anda corrida e sem ideias pra novos posts. Mas eu não posso deixar a Morgana esfregar na minha cara que eu não dou conta da 'arte' de blogar. -Q
Não tenho algo consitente do que falar me conta uma novidade, mas talvez queira falar sobre o vazio. Esses dias tem passado na TV sobre o assassinato do Glauco. Notícia velha provavelmente. Porém me bateu um tristeza, um arrepio, um vazio. Quase enlutei. Foi estranho, porque por mais que eu sempre visse os cartoons dele nos livros da escola, e ocasionalmente em algum outro lugar, nunca tive muita informação sobre "a mão que desenhava". Nem sabia ao menos se estava vivo, mas saber da morte me doeu bastante. Doeu e ainda dói. Estranho.
Mais do mais ando vendo os vídeos do PC Siqueira. Ser "nârd" agora é cool. Eu gosto dos vídeos e da misantropia dele.
A verdade é que eu tou morrendo de sono. Nem sei se vou deixar esse post por aqui.


PS: Eu disse que eu ia apagar, mas não vou. Se estiver ruim vai ficar exatamente desse jeito.

domingo, 7 de março de 2010

Ta quente, né?

Se outrora falar do tempo era uma mera esquiva pra falta de assunto, atualmente é um desabafo e quase uma súplica por dias  frios. Caramba! Eu não lembro de já ter sentindo tanto calor por tanto tempo. E não o que há o que fazer. Eu tenho tomado banho após banho, mas todos estamos com chuveiros elétricos em casa; a água só sai morna. Juro que eu temo qualquer dia desse abrir a torneira e a água sair fervendo exagerada. De todo modo sinto saudades das chuvas do ano passado. Prefiro frio a calor. Se ao menos estivesse na praia ou algo assim. *runf*

Outro dia a professora de Biologia estava falando sobre o crescimento populacional. Que quando a população de uma determinada espécie cresce em progressão geométrica (? (é assim que a população humana cresce) é bem provável que ela decaia bruscamente e entre em extinção. E que isso de "meio-ambiente" é um problema unicamente nosso. Porque conosco ou "senosco" a Terra continuará "viva". Ela encontra seus próprios meios pra se equilibrar, lançando um vírus que mata parte da população, por exemplo (peste negra, gripe espanhola, H1N1). E que quando o nível de carbono na atmosfera aumenta o planeta passa por uma Era do Gelo. E nós estamos na iminência de uma nova Ice Age.
"Pode ser daqui há 10, 30 ou 50 ano, mas vai acontecer". 

Eu sei que boa parte da população vai morrer afinal essa é a intenção, mas como naquele filme "O dia depois de amanhã" só quem se lasca são os EUA e a Europa uma esfriadinha nos dias de hoje não seria nada mal. -QQQ



Au revoir

quarta-feira, 3 de março de 2010

Isso vai mudar a sua vida.

Para ver mais clique aqui.
Por isso umas pessoas que eu conheço só descem de elevador. ;O



segunda-feira, 1 de março de 2010

Desenho bem que só -N


Clique na imagem para ampliar. Eu sempre quis dizer isso.